Abertura da Copa poderá ter cobertura celular deficiente por atraso nas obras dos estádios


Os sucessivos atrasos nas obras do estádio Itaquerão, em São Paulo, podem inviabilizar a instalação completa da cobertura do serviço móvel indoor. O mesmo ocorre com a Arena da Baixada, em Curitiba. Na avaliação de especialistas, com o tempo escasso, o campeonato mundial vai começar com apenas 85% do projeto de instalação de equipamentos no interior dos estádios prontos.

A situação é mais dramática no estádio paulista, que será o palco da abertura do mundial. A arena só foi entregue esta semana, mesmo assim, com as obras incompletas, não só no interior como no entorno da edificação. Por isso, ainda não foi dada a autorização para que as operadoras entrem com seus equipamentos.

A rede da Telebras, que servirá para transmitir as imagens da Copa, também enfrenta dificuldade de conclusão nas arenas de São Paulo, Curitiba, Manaus, Cuiabá e Porto Alegre pelo mesmo motivo. Mas a estatal garante que haverá tempo suficiente para completar o serviço. “As fibras já estão nas imediações dos estádios, faltam apenas as últimas milhas”, afirma um assessor da empresa. A rede é um dos compromissos assumidos pelo governo com a Fifa, estabelecidos na matriz de responsabilidades.

WiFi
De acordo com o diretor-executivo do SindiTelebrasil, Eduardo Levy, as operadoras estão fazendo o máximo para ofertar os melhores serviços aos torcedores. Ele alertou, porém que, nos jogos testes, que acontecerão os jogos da Copa nos novos estádios, os equipamentos não funcionarão em sua plenitude. Isto porque, as prestadoras aproveitarão esses eventos para testar a possibilidade de interferência com os serviços de transmissão de vídeo.

Levy ressalta que a cobertura indoor usa uma tecnologia de última geração, a mesma utilizada nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, e atenderá aos serviços de voz e dados nas tecnologias 2G, 3G e 4G. Para reforçar a capacidade de transmissão de dados para uso gratuito da internet pelos torcedores, as prestadoras propuseram às administrações dos estádios a instalação de rede WiFi. Dos 12 estádios, os de Brasília, Cuiabá, Manaus, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Salvador já autorizaram a instalação e os demais ainda não autorizaram.

O total de investimentos previstos para os 12 estádios é de R$ 200 milhões para a colocação da cobertura indoor, numa iniciativa exclusiva das prestadoras, já que essa infraestrutura não faz parte dos requisitos da Fifa para os estádios nem das obrigações previstas nos editais da Anatel. Já a Telebras afirma que investiu mais de R$ 76 milhões na construção das redes de alta capacidade para a Copa, que depois servirão para reforçar a infraestrutura do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).

Anterior Preços de serviços de comunicação mantêm reduções em abril, diz IBGE
Próximos Cade vai apurar denúncia da GVT de práticas anticoncorrências da Oi