Abert reivindica faixa de VHF para serviço de rádio digital


A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) divulgou nota manifestando oficialmente sua posição favorável à destinação da faixa de VHF, compreendida entre 76 MHz e 88 MHz, para o serviço de radiodifusão sonora. A decisão é endossada pelos presidentes de Associações Estaduais de Radiodifusão, reunidos em Brasília nesta quarta-feira (29).

O entendimento da entidade é de que a destinação desta faixa de freqüência – atualmente ocupada pelos canais 5 e 6 de televisão, que serão liberados quando da conclusão da digitalização da TV, prevista para 2016 -, é o caminho mais adequado para atender à necessidade do rádio brasileiro. “A realocação para a referida faixa, aliada à definição do padrão de rádio digital, permitirá que este meio de comunicação, às vésperas de completar 90 anos, integre-se ao atual ambiente de convergência, com mais qualidade de transmissão e novos recursos informativos”, diz a nota da Abert.

A nota também elogia a iniciativa do Ministério das Comunicações de promover um chamamento público para a realização de testes com padrões de rádio digital disponíveis no mercado.  A Abert ressalta que, independente do padrão a ser adotado, se HD Radio ou DRM, são imprescindíveis os atendimentos aos seguintes pressupostos:

1.possibilitar a transmissão simultânea dos sinais digitais dentro de mesma faixa atribuída para o sinal analógico atualmente irradiado;
2.propiciar a transferência de tecnologia para a indústria brasileira de transmissores e receptores, garantida, onde couber, a isenção de royalties;
3.possibilitar a participação de instituições brasileiras de ensino e pesquisa no ajuste e melhoria do sistema de acordo com a necessidade do país;
4.incentivar a indústria regional e local na produção de instrumentos e serviços digitais;
5.transmissão híbrida analógica e digital, simultâneas no período de transição;
6.assegurar um calendário flexível que permita às emissoras de rádio a migração para o digital de forma gradual e conforme o interesse de cada empresa.

Na nota, a entidade lembra que o rádio brasileiro representa um mercado robusto, com 4.526 emissoras de rádio comerciais e 200 milhões de receptores. “O rádio está presente em 50 milhões de domicílios (88,9%) e, embalado pela diversidade de plataformas tecnológicas, já trilha um caminho de promissora expansão”, conclui.(Da redação, com assessoria de imprensa)

Anterior Cisco divulga pacote de aplicativos com foco em corporações
Próximos Metas de qualidade saem da proposta e Dilma manda não adiar PGMU