Abert pede a Minicom que oficialize rádio digital com padrão americano


Depois de conseguirem a adesão do Palácio do Planalto ao padrão japonês ISDB, o escolhido para a TV digital brasileira, os radiodifusores reunidos na Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão Digital) querem, agora, que o governo autorize oficialmente as emissoras a utilizarem o padrão americano IBOC (In-band on-channel) nas transmissões digitais de …

Depois de conseguirem a adesão do Palácio do Planalto ao padrão japonês ISDB, o escolhido para a TV digital brasileira, os radiodifusores reunidos na Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão Digital) querem, agora, que o governo autorize oficialmente as emissoras a utilizarem o padrão americano IBOC (In-band on-channel) nas transmissões digitais de rádio.

A Anatel já concedeu autorizações para que 15 rádios testem o IBOC, e outras duas emissoras estão testando o padrão europeu DRM (Digital Radio Mondiale). “Estamos trabalhando junto ao Ministério das Comunicações para que ele solte uma oficialização que autorize as emissoras que querem e já estão preparadas a operar o sistema digital que possam fazê-lo”, disse hoje, 20, Daniel Pimentel Slaviero, novo presidente da Abert, após audiência com o ministro Hélio Costa. Slaviero é diretor do grupo paranaense de comunicação GPP (Grupo Paulo Pimentel), afiliado do SBT.

Consignação

Segundo ele, o radiodifusores querem uma espécie de consignação, que os permita oficializar as transmissões digitais. O padrão IBOC é o preferido das emissoras entre outros motivos porque não as obriga a mudar de freqüência para transmitir digitalmente. Ele permite que em uma mesma freqüência sejam feitas transmissões analógicas e digitais. “O pleito da radiodifusão é operar o analógico e o digital dentro da mesma freqüência atual”, completou Slaviero. As discussões sobre o padrão para rádio digital ainda não decolaram dentro do governo, mas já houve manifestação de alguns setores em favor do DRM, que seria um padrão mais aberto do que o IBOC.

Questionados se essa oficialização pedida ao governo não criaria um fato consumado pela escolha do padrão americano, os diretores da Abert argumentaram que o IBOC é “praticamente o único padrão de rádio digital existente no mundo que preserva o espectro existente”. Segundo José Inácio Pizzani, ex-presidente da Abert, o padrão europeu DRM, que está sendo testado pela Unb e pela Radiobrás, não preserva o espectro atual e obriga as emissoras a mudarem de faixa de freqüência para prestar o serviço. Para Slaviero, caso o governo decida pelo DRM no futuro, as emissoras terão que migrar para o padrão europeu.

TV digital

O novo presidente da Abert estima que até o final do primeiro semestre de 2007 a TV digital já estará operando comercialmente na cidade de São Paulo. A partir daí os radiodifusores defendem que as geradoras possam progressivamente solicitar os canais digitais para as demais capitais, processo que deve estar concluído até o final de 2008.

Anterior Serviço wireless estimula a teledensidade nos países pobres
Próximos Parcerias entre telcos e provedores de TV. Nos EUA.