A Telebrás e as ações de governo


Como explicar que uma empresa com prejuízos acumulados de R$ 435 milhões e passivo a descoberto de mais de R$ 26 milhões possa ter ações tão valorizadas na bolsa de valores? Para acabar com essa especulação, o governo precisa comunicar rapidamente ao mercado o que pretende fazer com a Telebrás.

Como explicar uma empresa que apresentou em 2009 um prejuízo de R$ 20,590 milhões; que teve prejuízo de R$ 31,784 milhões em 2008, que apresenta em seu balanço prejuízos acumulados de R$ 435,29 milhões; contra um capital social de R$ 419,4 milhões, e que registra um  passivo a descoberto de mais de R$ 16 milhões, apresentar um dos maiores giros financeiros dos últimos meses e aparecer com valorização de ações de mais de mil por cento em poucos meses? Explica-se pelo displicente  tratamento com que o governo se refere à Telebrás e a sua atuação no programa de massificação da banda larga.

Com resultados tão sofríveis, fica claro que o movimento de valorização dos papeis da Telebrás é meramente especulativo. Embora eu não acompanhe o mercado de capitais, acredito que o pequeno investidor só é lembrado quando seu punhado de ação torna-se importante para alguém. Pois nesse movimento especulativo, os pequenos investidores já estão sendo procurados pelos grandes corretores  e advogados para venderem as suas ações.

Enquanto isso, governo prefere fazer cara de paisagem e mandar a própria empresa responder à Comissão de Valores Mobiliários que “nada sabe, nada viu”.  Ao acompanhar essa estranha movimentação das ações da Telebrás, tinha a  preocupação de saber quem estaria ganhando mais com essa valorização e fui pegar uma aulinha de quem entende.

Pois bem: atualmente, a União detém 72,67% do capital total da Telebrás. Só que o governo possui 90% das ações ordinárias (com poder de voto) e o mercado possui 100% das ações preferenciais (sem poder de voto, mas com preferência para receber os eventuais dividendos).

E quem possui as 210 bilhões de ações PN? Você, eu, ele, que compramos linhas de telefone no período de 1975 a 1995. Quantas ações temos, de que tipo, só mesmo procurando o banco que “cuida” delas para nós (por enquanto é o Real, mas a Telebrás abriu licitação para contratar nova instituição financeira). Já tem corretora que “descobre” você e pede para  assinar procuração repassando esses papeis esquecidos, em troca de um valor “x”, praticamente o mesmo movimento que ocorreu às vésperas da privatização.

Quem ganha com essa especulação contra os pequenos? Além desses fundos e corretores que sabem comprar e vender na hora certa, o outro grande ganhador, me explicou uma fonte do mercado, é o próprio governo. Por que? Ora, quem tem mais ação é quem mais se beneficia com a valorização dos papeis, e a União tem mais de 70% do bolo.

Com os sistemáticos prejuízos apresentados pela empresa, ninguém duvida que o governo terá que capitalizá-la, se quiser transformá-la em uma operadora que vai prestar serviço seja para o usuário final seja para o próprio governo. No ano passado, a União já havia injetado R$ 200 milhões na holding. Não custa lembrar que, num movimento de reativação da empresa, o aporte de capital a ser feito pelo acionista controlador terá que ser acompanhado pelos minoritários, sob o risco desses acionistas diluirem a sua participação na companhia.

Ou seja, me explica essa fonte, a União poderá contar com os recursos dos minoritários para fortalecer a estatal. Contar com recursos do mercado é sempre um mecanismos saudável, desde que todos  tenham o mesmo grau de informação sobre o que se pretende fazer.

Pequenos
 
Embora a União seja a grande ganhadora com a alta dessas ações não é crível que haja interesse especulativo entre aqueles que defendem e formulam a política pública de banda larga para o país. Para acabar, então, com essa especulação desmensurada, o governo deve comunicar ao mercado o mais rapidamente possível qual será o papel reservado para a Telebrás no Plano Nacional de Banda Larga  e quais os planos de investimentos da estatal para este ano.  

Depois que o próprio presidente Lula já confirmou a intenção do Poder Executivo em reativar a estatal, não dá para fingir que a decisão não está tomada. Quanto mais transparentes as decisões, melhor para todos, principalmente para os menores, que neste caso também são milhares.

    
   

Anterior DEM quer explicações sobre comissão para analisar assinatura básica
Próximos TIM traz Motorola Milestone para cliente corporativo