A lei de TV paga e do audiovisual é desfavorável para os agentes brasileiros, diz Anatel


Mendoza, Argentina – O superintendente de Competição da Anatel, Abrãao Balbino, voltou a defender a necessidade de mudança na atual lei de TV paga (a Lei do Seac), sob risco de o mercado brasileiro ficar atrás das novas ondas tecnológicas que estão se anunciando. 

” Quem não quer consumir vídeo em qualquer lugar?”, indaga, para lembrar que no Brasil, no entanto, essa vontade tem uma legislação que trata assimetricamente na questão tributária para vídeos  que são distribuídos na  TV paga e  ou por outras meios, como celular ou Tablet, conhecidos como streaming.

“A competição no mercado de audiovisual é pela busca da atenção,” defendeu, e por isso, no seu entender, as amarras legais que diferenciam os serviços precisam ser derrubadas. “Precisamos trabalhar intensamente para a mudança desse marco legal do setor”, defendeu.

Terceira Onda

Ele disse ainda que o mercado financeiro – pelo menos a bolsa de Nova Iorque – já trata as operadoras de telecomunicações, as OTTs como Google, Facebook e Twitter,  e os produtores de conteúdo audiovisual, como Netflix e Disney, pertencentes do mesmo mercado – o de Comunicações.

“Enquanto isso, o mercado de games global já ganhou em faturamento do mercado audiovisual tradicional”, concluiu. O Balbino participa do evento da Associação Neo, para ISP,.

A jornalista viajou a convite de Neo.

 

Anterior Governo terá política pública de cibersegurança para o 5G, diz Menezes
Próximos PPI não vai interferir no edital do 5G, afirma secretário de telecom

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *