A gestão do gado na palma da mão


A plataforma para controle e gestão do gado de corte tem um sistema simples, que funciona em nuvem. A tecnologia permite lançar dados relativos ao cotidiano da fazenda no aplicativo, mesmo em off-line.

O Tele.Síntese publica aqui texto originais do Anuário Tele.Síntese de Inovação 2018, lançado no final do ano passado. Abaixo, conheça o caso da JetBov, empresa que criou uma aplicação para gestão de gado de corte.

A gestão do gado na palma da mão

Por Solange do Espírito Santo

A depender da startup JetBov, o ditado ‘o gado só engorda aos olhos do dono’ tem vida curta. A plataforma desenvolvida para o controle da gestão não apenas do gado, mas de toda a administração de fazendas de gado de corte completa três anos em operação com uma carteira de mais de 500 clientes que, juntos, têm mais de 600 mil animais em 20 estados brasileiros. O aplicativo mobile é também um espaço para comercialização e acompanhamento do mercado da bovinocultura, agregando produtores, fornecedores de insumos, cooperativas, frigoríficos e varejo.

Com um sistema simples que funciona em nuvem, a tecnologia permite lançar dados relativos ao cotidiano da fazenda no aplicativo, mesmo em off-line. Um requisito importante considerando a dificuldade de acesso à internet em várias regiões do país. “O processo é tão fácil que o próprio vaqueiro pode anotar as informações no celular. E quando entrar em área com cobertura de internet, o software envia os dados à web, usando algoritmos inteligentes. Rapidamente, as informações são processadas e ficam disponíveis para o usuário no formato de relatórios, gráficos e projeções”, explica Xisto Alves de Souza Júnior (foto), fundador e CEO da JetBov.

A ideia de desenvolver a ferramenta surgiu de uma demanda de familiares. “Tenho pecuaristas na família, com fazendas de gado de corte em Lages (SC). A nova geração que assumiu o controle das propriedades enxerga a fazenda como negócio, é ligada em tecnologia e buscava uma solução para sair da rotina do caderno de campo e das planilhas em Excel”, lembra. Assim, nasceu o projeto em 2014, com a filosofia de construir uma plataforma que unisse planilhas, mapas e cadernos num único espaço digital, com tecnologia prática e acessível, voltada ao atendimento das pequenas e médias fazendas, que têm entre mil e cinco mil animais.

“No modelo tradicional, a maioria dos fazendeiros não sabe ao certo o custo do gado que está vendendo”, informa o executivo, ao justificar a grande receptividade à plataforma. “Eles estão se conscientizando da necessidade crescente de ter mais controle e uma gestão moderna, que indique o efetivo custo da produção e que seja capaz de garantir um
pagamento melhor para o gado de corte”, reforça.

Sediada em Joinville (SC), a startup passou por período de incubação e depois foi acelerada pelo Inovativa Brasil, programa do Ministério da Indústria e Comércio. Começou a operar em 2015 e, em 2016, recebeu seu primeiro investimento, de R$ 1 milhão, da aceleradora de negócios ACE. Em fevereiro de 2018 recebeu um novo aporte de R$ 3 milhões da SP Venture, gestora de venture capital especializada em “agritech”.

Segundo Xisto, uma das razões da mudança de mentalidade dos pecuaristas é a pressão por qualidade, com padrões que assegurem sustentabilidade e redução de impactos no meio ambiente, e atendam às regras da vigilância sanitária e do mercado internacional. “A aceitação tem sido excelente. Praticamente um a cada três potenciais clientes fecham
contrato após conhecer a solução”, revela.

A JetBov sistematiza um banco de análises com informações sobre o horário de alimentação dos animais, ganho de peso, vacinação, época de reprodução, remessa para o abate, entre outros indicadores. Traz também planilhas com controle financeiro, controle das áreas de pastagem e custos de produção. Para isso, Xisto explica que a ferramenta combina imagens geradas por satélite e informações obtidas por meio de chips, coleiras, balanças e sensores, gerando um raio-X completo do rebanho e das variáveis essenciais para o negócio.

“A plataforma permite ao criador ter informações precisas sobre cada animal e ter respostas para questões cruciais: como está o meu inventário de animais? Os animais estão engordando no ritmo certo? Quando tenho que aplicar a próxima vacina? Como está a ocupação dos meus pastos? Está na hora de vender? Qual será meu lucro?”, exemplifica. Pelo sistema, também é possível negociar animais com outros proprietários.

O executivo avalia que, além de ser a primeira plataforma em nuvem focada na gestão e integração de toda a cadeia produtiva, o que também diferencia a solução da JetBov de outras ferramentas do mercado é a sua segmentação para pequenos e médios clientes especializados em gado de corte. “Os outros competidores estão focados em setores como as pequenas e médias fazendas de gado leiteiro ou de gado de confinamento”, comenta.

A plataforma é comercializada no modelo de assinatura do serviço. A maioria dos clientes está concentrada no Sul e Sudeste do Brasil. Agora, além de continuar investindo nas duas regiões, os planos são a conquista de novos assinantes no Centro-Oeste e no Norte.

A startup reúne 18 profissionais, a maioria trabalhando na sede da empresa. “Contamos também com representantes comerciais em Piracicaba, no interior de São Paulo, e em Goiânia. Neste caso, é justamente para nos impulsionar para o mercado no Centro-Oeste e Norte”, explica. Neste ano, além de conseguir o aporte da SP Ventures, a JetBov foi selecionada para participar do Launchpad Accelerator São Paulo, programa de aceleração de negócios do Google.

Anterior Digitalização de serviços públicos é nicho de negócios para o setor privado
Próximos Uma espécie de GPS do cabeamento da rede