A digitalização envelheceu a Lei do Cabo


Hoje, tudo o que é pré-IP se tornou jurássico. Pior: o que vai fazer o órgão regulador, que sequer conseguiu mexer na Lei do Cabo ou editar o regulamento do Serviço Eletrônico de Massa (SEMa), quando os prestadores de TV paga começam a usar novas redes baseadas em WiMAX (caso da TVA com Samsung)? Sendo …

Hoje, tudo o que é pré-IP se tornou jurássico. Pior: o que vai fazer o órgão regulador, que sequer conseguiu mexer na Lei do Cabo ou editar o regulamento do Serviço Eletrônico de Massa (SEMa), quando os prestadores de TV paga começam a usar novas redes baseadas em WiMAX (caso da TVA com Samsung)? Sendo que a própria Lei do Cabo, aliás, foi editada ao tempo em que as redes eram analógicas.

“Temos idéia de tudo isso e estamos buscando atualizações da regulamentação”, afirmou Maria Lúcia Ricci Bardi, gerente de regulamentação e planejamento tecno-econômico da Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa da Anatel, hoje, 28, no Seminário IPTV da Converge Eventos. A seu ver, a própria digitalização das redes de TV já não respeita a Lei do Cabo. E adianta que, se não foi possível à Agência levar adiante a SEMa, publicará “SEMinhas” para atualizar as regras da TV a cabo, MMDS e DTH.

Anterior Saída de Palocci não interfere em decisão sobre TV digital
Próximos R$ 7 milhões do Fust também comprarão computadores