A civilidade na internet nunca teve níveis tão baixos


Designed by Alekksall / Freepik

Hoje é o Dia Mundial da Internet Segura, um evento global criado para levar as pessoas a refletirem sobre seus hábitos digitais. Para aproveitar a efeméride, a Microsoft divulgou os resultados de uma pesquisa anual que busca medir o tamanho da civilidade online. Sim, o trabalho tenta mensurar o quanto as pessoas se expressam de forma agressiva (inicivilizada) ou positiva (civilizada) no ambiente digital. E os dados colhidos não são nada bons.

A métrica usada para isso é o Índice de Cidadania Digital. Conforme a empresa, este índice subiu para 70% no último ano, a maior classificação de falta de civilidade desde o início da pesquisa em 2016. Quanto mais próximo de 100%, maior o índice de incivilidade. Quanto mais baixo, mais civilizado é o debate online.

A pesquisa ouviu adolescentes (13 a 17 anos) e adultos (18 a 74 anos) em 25 países, em maio de 2019. Foram realizadas perguntas como “quais riscos online você e seu círculo de pessoas próximas já vivenciaram, quando e com que frequência tais riscos ocorreram, e quais consequências e ações foram tomadas?”. Também mediu-se a exposição dos entrevistados a 21 riscos em quatro áreas: comportamental, reputacional, sexual e pessoal/intrusiva. Em escala global, o DCI revelou que a exposição a riscos online aumentou significativamente, principalmente nas seguintes áreas: 1) contato indesejado, 2) farsas/fraudes/golpes, 3) sexting indesejado, 4) tratamento maldoso e 5) trollagens.

Segundo 31% dos entrevistados, a aparência física e a política são os principais motivos para a falta de civilidade online, seguidas de orientação sexual (30%), religião (26%) e raça (25%). Em termos do local onde esse comportamento ocorre, dois terços (66%) afirmaram que as redes sociais são o fórum mais frequente para a falta de civilidade online.

O Reino Unido está no topo do Índice de Cidadania Digital durante três dos últimos quatro anos. No entanto, o país teve um aumento da incivilidade online (52%), percentual superior ao seu maior pico de 45% em 2016. A Holanda estreou em segundo lugar, com 56%, seguida da Alemanha (58%), Malásia (59%) e os Estados Unidos (60%).

Os países com os menores níveis de civilidade digital foram Colômbia (80%), Peru (81%) e África do Sul (83%), marcando a primeira vez que países atingem uma marca superior a 80%.

Brasil mal na foto

O índice brasileiro foi de 72%, um pouco melhor que Argentina (76%), Chile (75%) e México (75%). O número é também superior média global e dois pontos acima do registrado em 2018. Ou seja, a incivilidade por estas bandas cresceu. Com isso, passamos a ser o 15º país na lista dos 25 analisados – o primeiro, o Reino Unido, é o mais civilizado na inernet.

O estudo, que entrevistou 502 brasileiros, com idades entre 13 e 74 anos, mostra que os principais riscos são contatos indesejáveis (42%), sexting indesejado (26%), farsas/fraudes/golpes (24%), assédio moral (24%) e assédio sexual (22%).

Entre os temas que mais geraram conflitos na internet entre os brasileiros, estão: política (53%), orientação sexual (34%), religião (33%), aparência física (30%) e raça (29%).

A relação com a internet entre os brasileiros revelou que os millennials (82%) compõem o maior grupo de risco entre os adultos. Dentre os jovens, 71% deles já vivenciaram um risco online, sendo que 78% sofreram com as consequências por conta dos riscos aos quais foram expostos. No entanto, apenas 48% deles pediram ajuda para os pais, e outros 63% afirmaram saber onde encontrar ajuda.

Quanto à expectativa de mudança, 69% dos entrevistados acreditam que empresas de tecnologia e social media criarão ferramentas e políticas que encorajarão um comportamento online mais respeitável e civil.

Combate à incivilidade digital

Para lidar e combater esse mal moderno, a Microsoft propõe que os usuários adotem quatro posturas no cotidiano da internet:

  1. Viva a Regra de Ouro agindo com empatia, compaixão e bondade em todas as interações, e trate todos com quem você se conecta online com dignidade e respeito.
  2. Respeite as diferenças, honre perspectivas diversas e quando as discordâncias surgirem, envolvam-se cuidadosamente e evitem xingamentos e ataques pessoais.
  3. Reflita antes de responder a coisas que você discorda, e não poste ou envie algo que possa machucar outra pessoa, danificar uma reputação ou ameaçar a segurança de alguém.
  4. Defenda você mesmo e os outros apoiando aqueles que são alvos de abuso ou crueldade, relatando atividades agressivas e guardando evidências de comportamento inadequado ou inseguro.
Anterior MCTIC luta por renovação automática de frequência em decreto
Próximos Anatel abre consulta pública da adaptação das concessões para autorizações

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *