A bilionária disputa pelas freqüências que eram das TVs. Nos EUA.


Começou ontem a bilionária disputa pelas freqüências de 700 MHz, que eram ocupadas pelas emissoras de televisão norte-americanas, mas que, com o fim das transmissões analógicas previstas para fevereiro de 2009, foram liberadas para serem usadas pelas empresas de telecomunicações. Conforme a lista divulgada pelo FCC (a agência reguladora norte-americana), 214 empresas foram qualificadas a adquirir …

Começou ontem a bilionária disputa pelas freqüências de 700 MHz, que eram ocupadas pelas emissoras de televisão norte-americanas, mas que, com o fim das transmissões analógicas previstas para fevereiro de 2009, foram liberadas para serem usadas pelas empresas de telecomunicações.

Conforme a lista divulgada pelo FCC (a agência reguladora norte-americana), 214 empresas foram qualificadas a adquirir as freqüências, que foram divididas em cinco lotes. Além das operadoras de telecomunicações, Google, Echostar e a operadora de TV a Cabo Cablevision estão na disputa.

São, ao total,  1.099 licenças, das quais 352 para áreas econômicas, 734 para o mercado de celular, 12 licenças regionais para pacotes de dados e uma licença nacional. 

A Banda C é a que desperta maior interesse –os lances são feitos on-line e o preço mínimo começou com US$ 4,6 bilhões. A banda D é a de menor demanda (o preço mínimo foi de US$ 1,33 bilhão), porque está vinculada a esta faixa a obrigação de universalização, com a construção de uma rede para atender 99,3% da população norte-americana até o ano de 2019. A expectativa é que todo o leilão arrecade US$ 15 bilhões para os cofres do Tesouro norte-americano. Até o fechamento desta edição, o leilão estava em seu quarto round e já havia angariado US$ 3,707 bilhões.
 
( Da Redação )

Anterior Plataforma IP é fundamental para o futuro da indústria
Próximos Usuários terão representação nas concessionárias de telefonia fixa