A base de assinantes pós da TIM aumenta 35%


A base de assinantes pós-pagos cresceu 35,1% nos últimos doze meses, aumentando a sua participação na base total de 20,3% no 2T05, para 20,6% no 2T06. A receita bruta de serviços no segundo trimestre de 2006 foi de R$ 2,7 bilhões, 23,1% superior à registrada no mesmo período em 2005. Esse aumento é atribuído pela …

A base de assinantes pós-pagos cresceu 35,1% nos últimos doze meses, aumentando a sua participação na base total de 20,3% no 2T05, para 20,6% no 2T06. A receita bruta de serviços no segundo trimestre de 2006 foi de R$ 2,7 bilhões, 23,1% superior à registrada no mesmo período em 2005. Esse aumento é atribuído pela empresa, que anunciou resultados hoje, 24, principalmente à sólida expansão das receitas de voz e VAS.

As receitas de voz foram beneficiadas com a expansão da base de clientes e com o aumento no volume de tráfego. Analisando em detalhe as receitas de VAS, a TIM destaca o desempenho do MMS, GPRS, downloads, etc., que, juntos, representaram 41% do total dessas receitas no período, 4 p.p. a mais do que no 2T05.

A receita bruta de aparelhos no trimestre foi de R$ 547,2 milhões, com redução de 8,2% em relação ao segundo trimestre do ano passado, com um volume de vendas de aparelhos 16% menor. Isso mostra, segundo a empresa, o seu foco em serviços, ao invés da venda de aparelhos, com as promoções para o segmento pré-pago baseadas no uso e na oferta do “TIM Chip Only”, ao invés de subsídios nos aparelhos. A TIM assinala que o mix de aparelhos no trimestre foi alterado devido ao grande aumento nas vendas de aparelhos mais sofisticados, de médio e alto valores, os quais incluem uma variedade de opções ( tri-band, MP3, MMS, GPRS, EDGE, infra-vermelho, Bluetooth, browsers, internet, e-mail, Java, etc.), o que, por sua vez, contribuiu para o aumento da receita de VAS.

Mix sofisticado

No trimestre, as vendas de aparelhos com recursos de MMS aumentaram 108%; 103% para os com recursos de Java; e 52% para os que possuem câmera integrada.

As despesas de comercialização e marketing foram menores na comparação ano-a-ano, resultado de uma política menos agressiva de preços para os aparelhos e parcialmente compensada por um maior peso das aquisições no segmento pós-pago.

O custo dos produtos vendidos (que se refere basicamente à venda de aparelhos celulares e acessórios) foi de R$ 478,7 milhões, 2,5% superior ao 2T05, apesar da mudança na estratégia para o segmento consumer, representada pela redução dos subsídios nos aparelhos. Tal política de baixos subsídios está parcialmente refletida noesse custo, uma vez que uma substancial parte deste componente está na linha de despesas de comercialização, as quais mostraram uma forte redução, também levando em conta uma maior participação dos clientes pós-pagos no total de adições brutas: 21,6% no 2Q06 vs. 17,5% no 2Q05.

PDD menor

O custo de aquisição de clientes (SAC) foi de R$ 168, 00, 1,2% inferior ao do 2T05, no valor de R$ 170,00.

As despesas com inadimplência foram de R$ 113,1 milhões, representando 3,5% da receita bruta total, praticamente em linha com o trimestre anterior. O aumento em relação ao 2T05 resulta da mudança no critério de provisionamento de créditos de liquidação duvidosa naquele período, de forma a alinhar a metodologia das diferentes empresas operacionais do grupo.

O EBIT (resultado operacional excluindo-se juros e impostos) foi negativo em R$ 62,9 milhões, uma recuperação de R$ 108,6 milhões em relação ao prejuízo de R$ 171,5 milhões contabilizado no 2T05. A margem EBIT foi de 2,7% negativa, representando uma melhora de 5,6 p.p. em relação ao 2T05.

Ao final do 2T06, a dívida líquida da companhia (dívida total menos o caixa e equivalentes) foi de R$ 1,8 bilhão, comparada a R$ 1,5 bilhão no 1T06. O fluxo de caixa operacional líquido do trimestre (-R$ 39 milhões no 2T06) mostra uma melhora significativa quando comparada ao registrado no 1T06 (-R$ 1.250 bilhão) e com o do 2T05 (-R$ 501 milhões).

O prejuízo líquido no trimestre foi de R$ 249,0 milhões, uma melhora de 25,3% em relação ao mesmo período de 2005.

Anterior EBITDA da TIM Participações cresce mais de 73%
Próximos Ações da PT pela Vivo? Sonae nega acordo com Telefónica.