São Paulo contará com, no mínimo, 300 pontos de internet gratuita em centros culturais, bibliotecas, centros desportivos e pontos turísticos, entre outras localidades. Remuneração das empresas se dará pela revenda de publicidade digital exibida ao usuário.

Segundo o coordenador de conectividade da prefeitura, texto receberá comentários por 15 dias e irá prever novos modelos de negócio. O texto trará mudanças no programa, que passa a depender menos de repasses públicos, permitindo às empresas rentabilizar sobre a oferta do acesso gratuito à internet.

Além de fornecer os links e serviço de conectividade, pretende que façam também uma requalificação dos locais onde haverá o sinal livre. Em troca, poderão fazer publicidade no espaço.

Conexão é gratuita e faz parte do programa WiFi Livre SP, da prefeitura

Expectativa é de que até junho, todos os 120 pontos sejam entregues

A America Net fechou parceria com a prefeitura de São Paulo para levar WiFi gratuito, remunerado através de publicidade, a 619 pontos das cidade. Empresa promete acessos mais rápidos que o 4G, com velocidade de até 1 Gbps. E vê capacidade de replicação do modelo em outras cidades.

Entidade encaminhou contribuição à consulta pública para o Programa WiFi Livre da Prefeitura de São Paulo

O secretário municipal de Inovação e Tecnologia, Daniel Annenberg, afirmou que a intenção é levar a internet pública para as regiões da cidade ainda não contempladas com o programa WiFi Livre SP

Até 2020, empresa terá hotspots em 54 aeroportos do país. Objetivo é ser maior provedora de WiFi patrocinado nos aeroportos da América Latina.