Furukawa faz trials com seis elétricas para tecnologia OPDC


Os produtos da Furukawa com a tecnologia OPDC (Optical Distribution Cable), que permite fazer a transmissão de energia elétrica e de dados ao mesmo tempo, pelo mesmo cabo, estão sendo testados por seis concessionárias de energia elétrica.  A solução faz parte da estratégia da empresa de ampliar sua participação na área de infraestrutura de redes elétricas inteligentes.  A companhia também se prepara para atender à demanda de soluções ópticas das operadoras de telecom, seu maior cliente, para expansão da rede 5G, já tendo autorizado investimentos da ordem de US$ 150 milhões nos próximos dois anos em novas plantas de fibras ópticas de nova geração.

A tecnologia OPDC foi desenvolvida no país em parceria da Furukawa com a unidade Embrapii CPqD. Seu primeiro trial foi justamente no projeto de uma rede sinérgica que vem sendo desenvolvido pela Cemig em parceria com o CPqD e conta com apoio dos programas de P&D da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e da Fapemig.

Nelson Saito, gerente geral de Produtos e Aplicações, explica que o OPDC é voltado para redes de distribuição de energia de média tensão e substitui o cabo metálico convencional por outro híbrido, de cobre, mas com fibra óptica em seu interior. Ele possibilita a transmissão de energia elétrica e, ao mesmo tempo, o envio de dados. Para as elétricas, o uso dessa plataforma vai trazer inúmeros benefícios, desde o aumento da capilaridade, a diminuição da poluição visual aérea até a detecção e o reparo de problemas na rede, via fibra óptica, com muito mais rapidez.

A tecnologia OPDC também vai se tornar um trunfo da Furukawa em outros mercados nos quais a empresa está presente, como o de smart cities. Isso envolve, por exemplo, a combinação com a tecnologia FiberMesh, cuja topologia de rede favorece projetos para uso em cidades. Entre as aplicações que poderiam ser exploradas estão o controle de semáforos, iluminação pública e segurança.

A solução OPDC foi exibida ao público pela primeira vez esta semana, durante o Futurecom 2017. Saito está otimista quanto ao desempenho do produto, principalmente levando em conta o interesse que vem sendo manifestado pelas elétricas.

A empresa também levou para o evento algumas tecnologias desenvolvidas para atender à demanda dos hyperscale data centers e que demandam uma arquitetura de redes e hardware mais flexíveis. Entre eles, o cabo óptico de ultra alta capacidade com tecnologia Rollable Ribbon – UHCF, que pode conter até 3.456 fibras, mantendo o diâmetro de 28 mm.

Saito informou que ainda não há previsão da chegada dessa tecnologia ao mercado brasileiro. “Mas é importante que essa tendência seja debatida no país, porque temos uma mudança importante acontecendo no mercado de data centers que vem sendo provocada por grandes empresas da web, como Google, Facebook, Microsoft e Amazon”, ressaltou.

Anterior Próxima fronteira da competição será a experiência do cliente, diz presidente da TIM.
Próximos NEC projeta crescimento de 10% a 15% no seu ano fiscal