700 MHz: interferência na TV pode custar US$ 3 bi. Anatel faz testes para confirmar os custos e mantém data do leilão.



As três entidades que congregram as emissoras de radiodifusão – Abert, Abra e Abratel – entregaram hoje ao presidente da Anatel, João Rezende, estudo promovido pelo governo japonês sobre os níveis de interferência provocados pela telefonia celular na TV aberta na ocupação da faixa de 700 MHz. Esta migração poderá gerar custos adicionais  de US$ 3 bilhões, revela o documento. “Os testes realizados durante dois anos pelo governo japnês, e cujos resultados foram entregues à União Internacional de Telecomunicações (UIT) são importantes porque são os primeiros a analisar as condições de ocupação da faixa com a mesma tecnologia usada no Brasil – a ISDB-T e demonstram que há um grande custo de mitigação”, afirmou o presidente da Abert, Daniel Slavieiro.

 

Segundo o presidente da Anatel, João Rezende, o estudo entregue será analisado pelos técnicos da agência, mas  ele entende que, a princípio, o quadro brasileiro é bem diferente, tendo em vista que o  Japão tem uma densidade populacional muito superior à brasileira, o que pode interferir bastante no resultado final.

 

No Japão, o governo constatou que, para não haver interferência na TV e, mesmo nas estações rádio-bases do celular, será necessário colocar filtros em todos os aparelhos de TV que recebem os sinais digitais e também nas antenas e erbs dos celulares, conta que deve chegar a US$ 3 bilhões. “O importante é que, se estes custos forem os mesmos no Brasil, eles estejam previstos no edital”, afirmou Slavieiro. O estudo japonês mostrou ainda que seria necessário uma banda de guarda maior – de 9 MHz- à proposta atualmente da Anatel, que é de 5 MHz.

 

Testes

 

Rezende assinalou que, por determinação do governo, a licitação de venda da faixa de 700 Mhz não pode prejudicar a radiodifusão, e prefere aguardar pelos  resultados dos três testes que estão sendo feitos no Brasil. Um teste está sendo conduzido pela Anatel, outro pela SET, em parceria com a Universidade Mackensey e o terceiro, pelo SindiTelebrasil e o CPqD. Os testes deverão se encerrar ainda neste sementre.

Rezende pretende manter proposta de lançar o edital de venda da frequência de 700 MHz para as operadoras de celular no segundo semestre deste ano. “Pretendo lançar a consulta pública antes do término de meu mandato”, concluiu Rezende, cujo mandato se encerra no dia 5 de novembro. ( Da redação).



Anterior Exportação de radiobase cresce 152,8% de janeiro a março
Próximos GVT investe R$ 12 milhões para ampliar central de atendimento em Fortaleza