5 gigas de banda começam a fazer a festa de 6 mil jovens


Foi aberta ontem à noite, em Valencia, na Espanha, com um concerto com as músicas mais famosas da história dos videogames, a 11 Campus Party, considerada o maior evento de entretenimento eletrônico em rede do mundo. A partir da zero hora de hoje, mais de 6 mil pessoas, especialmente jovens entre 19 e 25 anos de …

Foi aberta ontem à noite, em Valencia, na Espanha, com um concerto com as músicas mais famosas da história dos videogames, a 11 Campus Party, considerada o maior evento de entretenimento eletrônico em rede do mundo. A partir da zero hora de hoje, mais de 6 mil pessoas, especialmente jovens entre 19 e 25 anos de vários países, estão participando de oficinas e campeonatos em áreas como robótica, astronomia, simulação, modding (personalização de equipamentos), software livre e, é claro, videogames. Essa experiência será repetida, em escala um pouco menor, em São Paulo, em fevereiro de 2008. O Brasil foi escolhido pela E3 Futura, a entidade responsável pela organização do Campus Party, como o caminho para a internacionalização do evento.

O que atrai tantos jovens, que gastam uma semana das férias de verão confinados dentro de um grande centro de convenções onde dormem em barracas, não é só a possibilidade de compartilhar e aprender. Uma das chaves do sucesso do evento, reconhece Paco Ragageles, presidente do Campus Party, é a capacidade de banda de acesso à internet que é colocada à disposição dos participantes. Este ano, a Telefónica, uma das patrocinadoras do evento, está oferecendo 5 Gbps de capacidade de banda larga, 35% a mais do que na edição do ano anterior. “Os jovens ficam alucinados com a possibilidade de fazer download de conteúdos que eram inatingíveis por falta banda”, comenta Claudio Prado, do Ministério da Cultura e especialista em mídias digitais, que já esteve em edições anteriores do evento.

Prado integra uma delegação de brasileiros, entre especialistas nas áreas tecnológicas cobertas pelo evento e jornalistas, convidada pela E3 Futura. Também participam do evento, como “campuseros”, os 24 sorteados, mais acompanhantes, em uma promoção realizada pelo serviço Speedy, da Telefônica, e outros dez internautas escolhidos em promoções feitas por comunidades virtuais brasileiras.

PUBLICIDADE

No Brasil

Apesar de se tratar da primeira edição fora da Espanha, a expectativa de Marcelo d'Elia Branco, presidente do Campus Party Brasil, é reunir cerca de 3 mil jovens no prédio da Bienal, no Ibirapuera, em São Paulo. Segundo Paco Ragageles, o evento deverá custar em torno de R$ 10 milhões – a edição 2007 do Campus Party de Valencia está consumindo 6,8 milhões de euros, provenientes de patrocínios e das inscrições.

Marcelo Branco está otimista sobre as possibilidades do evento no Brasil. “Apesar da baixa penetração da banda larga, os brasileiros, e em especial os jovens, transitam muito bem pela internet”, diz ele. Para Marcelo, o Campus Party será um momento para as comunidades virtuais brasileiras se conhecerem e se reconhecerem; e também para que mostrem ao país o que estão desenvolvendo nessa área. “Temos grandes desenvolvedores e muita produção. É preciso que ganhem visibilidade.”

*A jornalista viajou a convite da organização do evento

Anterior Tellabs na mira da NSN?
Próximos Adesões à OPA da TNL são de apenas 17,86 milhões de ações PN