48% das empresas ainda não conseguem detectar violações em dispositivos IoT


Quase metade (48%) das empresas que trabalham com soluções de internet das coisas (IoT) não consegue detectar se ocorreu uma violação em algum de seus dispositivos. Isso acontece apesar das empresas concentrarem a maior parte da sua atenção na segurança destes aparelhos.

Estudo realizado pela empresa de segurança Gemalto indica que os gastos com proteção aumentaram (de 11% no orçamento de IoT em 2017 para 13% agora). Foram ouvidos 950 tomadores de decisão de TI, de empresas do mundo inteiro, inclusive brasileiros.

O material indica, também, que as companhias aguardam regulações por parte do governo para saber como proceder quanto à segurança dos dispositivos. Cerca de 79% dos ouvidos disseram que os governos precisar traçar regras de segurança em IoT.

E quase a totalidade, 97%, diz que garantir a segurança dos dispositivos é um diferencial fundamental de mercado para usas soluções. E por enquanto, a forma de manter o nível de segurança tem sido através da criptografia: 59% dizem encriptar os dados dos dispositivos IoT.

“Dado o aumento no número de dispositivos habilitados para IoT, é extremamente preocupante ver que as empresas ainda não podem detectar se estes dispositivos foram violados”, disse Jason Hart, diretor de tecnologia de Proteção de Dados na Gemalto.

“Sem nenhuma regulamentação consistente orientando o setor, não é surpresa que ameaças – e, por sua vez, a vulnerabilidade das empresas – estejam aumentando. Isto tende a continuar, a menos que os governos intervenham agora para ajudar o setor a evitar a perda de controle ”, completa o executivo.

Anterior Governo retoma projeto de identidade digital
Próximos Nokia vai demitir 350 na Finlândia