3G está presente em 20 países da AL, mas tem poucos clientes.


A tecnologia de terceira geração da telefonia celular (UMTS/HSPSA) já está presente em 41 redes de 20 países latino-americanos, mas a penetração não supera 1% da população, conforme estudo da associação 3G Américas divulgado em Barcelona. Segundo a associação, entre os desafios a serem ultrapassados estão o baixo ARPU (renda média por usuário), cujo valor …

A tecnologia de terceira geração da telefonia celular (UMTS/HSPSA) já está presente em 41 redes de 20 países latino-americanos, mas a penetração não supera 1% da população, conforme estudo da associação 3G Américas divulgado em Barcelona. Segundo a associação, entre os desafios a serem ultrapassados estão o baixo ARPU (renda média por usuário), cujo valor médio é de US$ 16,00; baixa penetração de computadores e pouca participação da comunicação de dados no faturamento das empresas (14% contra 23% na América do Norte).

Para Erasmo Rojas, diretor da 3G Americas para América Latina e Caribe, há ainda outro problema que precisa ser superado: a falta de espectro disponível para as operadoras de celular oferecerem o serviço. Segundo ele, o Brasil é o país que tornou disponível a maior quantidade de banda para as empresas. Enquanto aqui as operadoras de celular têm reservados 80 MHz de banda, na Argentina o limite máximo é de 50 MHz, no Chile e México de 60 MHz e na Colômbia, de 40 MHz. “A América Latina precisa flexibilizar esse teto, sob o risco de impedir o desenvolvimento da banda larga na região”, alertou.

* A jornalista viajou a convite da Alcatel-Lucent

Anterior Oi vence licitação para implementar projeto de Educação no RJ
Próximos Lula indica Rezende para conselho da Anatel