3G e 4G vão dominar conexões M2M até 2018


O mercado de M2M já começou a migrar da conectividade 2G, no caso de soluções que usam redes celulares, para 3G e 4G. E, até 2018, a maior parte das conexões da internet de todas as coisas deve se realizar nestas redes. A previsão, da empresa sueca de pesquisa de mercado Berg Insight, aponta que o uso de HSPA e LTE para M2M ficará em 20% do mercado até dezembro deste ano, mas que vai superar a barreira dos 50% em cinco anos.

Segundo a empresa, em 2017 já serão fabricados mais dispositivos M2M com tecnologia 3g ou 4G do que 2G, no mundo. Até lá, a HSPA deve ser a tecnologia mais utilizada, em função dos custos, ainda mais altos, da LTE. O principal indício da virada vem dos Estados Unidos, onde as operadoras já divulgaram planos de desligamento de redes 2G. No país norte-americano, a maioria dos dispositivos da internet das coisas ligados a redes celulares vai usar 3G até dezembro.

O cenário no mundo é variado, porém. Na Europa, a expectativa é que as redes 2G existam até depois de 2020, na maioria dos países que compõem a União Europeia. No mercado asiático, o ritmo é mais veloz, similar ao dos EUA. Segundo a empresa, o Japão já tem a maioria dos equipamentos M2M funcionando em redes 3G. Embora o estudo não aborde o Brasil, por aqui, as operadoras já oferecem planos para M2M que se beneficiam das velocidades mais altas das redes HSPA/LTE.

O catalisador de tais transformações, explica a Berg, será o aumento de dados coletados pelos dispositivos e a demanda do mercado automobilístico. “A indústria automotiva está comprometida em criar os carros conectados, que requerem conexão banda larga permanente. GM e Audi já lançaram veículos com LTE embutido nos EUA”, ressalta Tobias Ryberg, analista da  empresa de pesquisa.

Anterior Qualidade da banda larga avança pouco no país em três meses, mostra levantamento.
Próximos Mais uma consultoria indica fusão Oi/PT como melhor saída a minoritários