3G Claro estréia amanhã, dia 14.


Montada em prazo recorde (cerca de quatro meses), a rede UMTS com HSDPA (High-Speed Downlink Packet Access) da Claro – com 1,4 mil sites, 500 dos quais na cidade de São Paulo – começa a funcionar amanhã, 14 de novembro, para atender clientes no Distrito Federal, e regiões metropolitanas de Fortaleza e Recife. No dia …

Montada em prazo recorde (cerca de quatro meses), a rede UMTS com HSDPA (High-Speed Downlink Packet Access) da Claro – com 1,4 mil sites, 500 dos quais na cidade de São Paulo – começa a funcionar amanhã, 14 de novembro, para atender clientes no Distrito Federal, e regiões metropolitanas de Fortaleza e Recife. No dia 20, será a vez da grande Porto Alegre; em dezembro, a das regiões metropolitanas do Rio e de São Paulo (essas duas últimas as de topologia sabidamente de cobertura mais complexa). O anúncio foi feito hoje, 13, em São Paulo, pelo presidente da operadora, João Fox.

A notícia, a rigor, já era esperada pelo mercado, e a infra-estrutura fornecida pela dupla Ericsson e Huawei poderia ter sido inaugurada há pelo menos um mês, atraso atribuído à demora da Anatel em dar o sinal verde à Claro. “O Brasil ainda não tem banda larga. Dos 35 milhões de usuários internet do país, apenas 6,5 milhões têm acesso em alta velocidade, e estão praticamente concentrados nas áreas urbanas”, disse Fox. Segundo o executivo, as ofertas da operadora têm velocidades  superiores a 77% das bandas largas oferecidas no mercado local. Inicialmente, os planos terão duas velocidades: 1Mbps, por R$ 99,90 mensais e uso ilimitado; 500 Kbps, R$ 69,90, também uso ilimitado. No plano de 240 minutos, o aparelho será grátis.

A operadora tem em vista um mercado potencial de cerca de 33 milhões de clientes para os seus serviços 3G, nas 16 unidades da federação onde dispõe de freqüências em 850 MHz (seis no Nordeste, cinco no centro-oeste, Acre, São Paulo, Rio, Acre e Distrito Federal). E o lançamentol da 3G nesta banda, não exclui a participação da Claro no próximo leilão de 2.100 MHz.

Anterior Acesso à internet: o desafio internacional.
Próximos Intervozes quer backhaul para SCM e redes comunitárias