17 mil funcionários da AT&T entram em greve nos EUA


shutterstock_3DProfi_competicao_concorrencia_genteHá 17 mil funcionários da AT&T em greve, nos estados de Nevada e Califórnia, nos Estados Unidos. Eles estão realizando manifestações na frente das unidades em que trabalham – call centers e escritórios da companhia. A paralisação se deve à recusa da operadora, maior do país em assinantes de TV, banda larga fixa, telefonia fixa e telefonia móvel, em negociar os termos de convenções coletivas com os sindicatos do setor. A empresa tem mais de 268 mil funcionários no mundo.

Há cerca de um ano venceu a última convenção, e os funcionários não tiveram renovados benefícios estabelecidos até então. A greve não tem data para terminar, conforme o sindicato dos trabalhadores norte-americanos em comunicações (CWA), responsável pela convocação da paralisação. A AT&T também teria aproveitado o vencimento da convenção para realocar funcionários e delegar-lhes trabalho fora de suas atribuições tradicionais.

Ao site Wirelessweek, um representante da AT&T teria dito que a operadora já iniciou negociações com o sindicato para resolver o embate e retomar o quanto antes os trabalhos. Alegou que a empresa não vai reduzir nenhum salário e pretende retomar benefícios.

Mês passado a empresa se viu forçada a renegociar seus contratos trabalhistas após ameaça de greve de empregados em 36 estados do país. Em 2016, a Verizon, maior operadora móvel dos EUA, enfrentou uma greve de 40 mil funcionários que durou 49 dias e que exigiu intervenção do governo de Barack Obama para ser resolvida. (Com agências)

Anterior Abrint contesta venda de capacidade do satélite da Telebras
Próximos MP da Oi: o consenso ainda não existe, afirma fonte

2 Comments

  1. Sabrina Vasconcelos
    22 de Março de 2017

    E SE acontecer um dia por aqui coisa parecida com vivo claro ou tim,será que o servico continuara a funcionar ???

    • Gabriel
      23 de Março de 2017

      Se não ocorrer nenhum problema enquanto isso, que demande intervenção humana, imagino que sim. É até menos provável agora, que está prestes a ser sancionada uma lei aprovando contratações temporárias em substituição a funcionários praticando greve.